Literatura

Resenha: “Textos Cruéis Demais Para Serem Lidos Rapidamente” – Vários autores

“elas enlouqueceram porque viram demais e beberam demais de coisas, processos, momentos, ciclos. se embebedaram não dos livros de literatura clássica, mas da visão cotidiana do podre que quase ninguém vê.”



A antologia Textos Cruéis Demais Para Serem Lidos Rapidamente, organizada e escrita por Igor Pires e Gabriela Barreira e com ilustrações de Anália Moraes, é exatamente isso que o próprio título quer dizer: é ácido, amargo e serve como um grande tapa na cara de cada leitor.

O livro é dividido em quatro partes, tendo cada uma o seu próprio significado e repercussão: 

Na primeira parte os textos são curtos e em versos, com títulos em forma de enumeração, pois há uma forma de colocar os sentimentos em sequência, em graduação; na segunda parte os textos são mais longos e em prosa, com títulos próprios que transparecem a essência do poema e com quotes iniciais para sabermos em qual tipo de sentimento estamos adentrando; na terceira e quarta partes os textos variam em seu tamanho, título e quote inicial, sendo a parte quatro uma espécie de continuação/retomada da número um.


Os temas abordados intercalam entre assuntos como: desilusões amorosas, relacionamento abusivo, rompimentos, abandono, troca, partidas, conhecer e amar a si mesmo e, por fim e com grande beleza, libertação. Também exploram alguns sentimentos profundos e com grande impacto, entre eles a raiva, o desespero, a saudade e o desprezo.


São poemas de versos livres sem rima, mas repletos de musicalidade. A coletânea poética traz diversas sensações ao leitor, variando entre momentos de sorrisos e lágrimas perdidas, colaborando para que haja uma identificação com o eu-lírico, principalmente se o leitor for mais jovem e/ou estiver passando por alguma situação similar no momento enquanto realiza a leitura. 

“escrever, afinal, é isto: abrir um espaço dentro de si mesmo pra que o outro deite a cabeça cansada. aqui, eu me abro pra que vocês possam descansar.”


Porém, infelizmente, não fui intensamente tocada como imaginei:

Admito que ainda não consigo tirar uma conclusão desse livro, se gostei muito ou se apenas gostei, no excesso ou intermediário. No começo, por se tratar de textos relativamente pequenos, imaginei que o título era uma maneira de chamar a atenção e que eu, consumidora de poesia, iria conseguir lê-lo inteiro em um dia ou dois, como aconteceu com coletâneas anteriores. Não consegui. Não pela questão de peso ou intensidade dos textos, mas porque simplesmente não conseguia pegar o livro para ler durante horas seguidas, eu me cansava muito rápido. Alguma coisa nele me incomodava e estagnava a minha leitura, por isso demorei quase uma semana para lê-lo inteiro. 


Em um modo geral, eu gostei dos poemas, mas não me identifiquei com a maioria. Sei que a Thainá mais nova e adolescente se veria naqueles textos e teria certeza que foram escritos para ela. Porém atualmente senti o eu-lírico mórbido, desapontado e tristonho, sentimentos que não estão seguindo comigo e por isso não fazem mais tanto sentido. Quem sabe eu leia daqui há uns anos e se torne favorito, com quotes pelo quarto e tatuados no braço. Mas agora apenas se tornou uma boa leitura, com uma escrita que, infelizmente, me estagnou em várias partes


Talvez eu tenha ido com sede demais ao pote e me deixado influenciar pelas críticas positivas de pessoas que confio no gosto literário. Ou talvez eu só não estivesse no momento certo para ter contato com o livro. Por mais que eu tenha classificado como quatro estrelas, o que quer dizer que eu gostei até que bastante, aquela estrela faltando tem relação com a minha decepção perante ao resto. Sei que deveria me atentar ao que gostei e não ao que esperei, mas a estrela faltando me intriga e sempre me lembra que algo na antologia não me cativou. Vocês já se sentiram assim com alguma leitura? Uma leitura que você gostou muito, mas que ao mesmo tempo não preencheu o espaço que estava reservado dentro de você.


As ilustrações são lindas e, realmente, teve uns cincos (ou mais) textos que mais me encantaram e alguns até mesmo favoritados, e é exatamente por isso que a leitura ao todo me agradou. A escrita, assim como em outros livros de poemas que li no ano passado, não utiliza pontuações e nem letras maiúsculas, o que pode facilitar ou dificultar a leitura dependendo do leitor.

De qualquer forma, fica aqui a minha recomendação, principalmente para aqueles que gostam e querem ter mais contato com poesias nacionais. Sei que há muita discussão sobre esse estilo de texto ser ou não poema, mas para mim em um poema não é necessário haver estrofes longas e versos ritmados ou a “fórmula padrão” de autores clássicos, o importante é fazer com que o leitor sinta os sentimentos aflorados do eu-lírico e se conecte com as palavras. Poesia para mim é sentir, compartilhar, se identificar. E para que isso ocorra não é preciso fórmula ou regra gramatical.


“o meu amor por mim me salvou.”

💻 Me acompanhe nas redes sociais:

2 thoughts on “Resenha: “Textos Cruéis Demais Para Serem Lidos Rapidamente” – Vários autores”

  1. Esse é um livro que sempre me chama a atenção, fico pensando se serei tocada pelos textos de modo intenso, é uma expectativa que também tenho e torço para não me decepcionar quanto a isso haha
    Acho bem diferente esse tipo de abordagem em cada parte do livro e acho que os sentimentos e assuntos abordados também são bastante interessante. Espero ler em breve, Um beijo
    Colorindo Nuvens

    1. Espero que você leia e que os textos te toquem de forma intensa, ainda mais de como aconteceu comigo. É sempre incrível quando um livro supre ou até mesmo supera nossas expectativas, ainda mais uma obra repleta de poesia que logo imaginamos que será inesquecível.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *