Literatura

Resenha: “Olhos Verdes” – Teresa Helsen



Com foco em drama, história da série Scrupulo aborda relacionamento abusivo e a força da amizade.

Claudia Cazarotto saiu de São Paulo para começar uma nova vida em Nova Iorque, longe dos traumas do passado. Porém, mesmo distante daquilo que um dia lhe despedaçou, sua nova vida não é regada à flores, tendo sido há pouco tempo sequestrada por engano com sua melhor amiga Rebecca Stein e outras mulheres.


Rebecca Stein acredita ter encontrado o amor ao conhecer o italiano Antonio Scaffa, um homem apaixonado, encantador e romântico. Mas, ao desenrolar dos próximos dois meses, ela percebe atos inesperados e, aparentemente, inofensivos de seu parceiro: cuidados e ciúmes em excesso. Ao longo desse relacionamento Rebecca se isola, se mantém sozinha e começa a agir diferente, se transformando em outra mulher.


Embora Claudia seja um elemento essencial nessa história, aqui não há um mistério para ser solucionado por nossa heroína, mas, sim, há um momento crítico que precisará que Claudia seja forte e se mantenha como a base e a fortaleza em uma amizade. Com o auxílio do detetive – e amante – Maguire e de seu chefe Seth Cunnings, ela desbrava os caminhos da máfia, do machismo e liberta sua amiga de um perigo íntimo e descontrolável.


Olhos Verdes é uma história da série Scrupulo, escrita pela autora Teresa Helsen, mas dessa vez com a presença especial de Leontine Gambini, uma personagem da HQ Kings Club. Assim como as demais – I Put A Spell On You e Ataque Fegatello -, essa short story também tem uma história independente, sendo iniciada e concluída no mesmo livro.

“Não há maior prazer do que ter controle de sua própria vida.”


Continuando a jornada ao lado de Claudia.

Não resisti a série Scrupulo, então logo comecei essa outra história, um outro spin-off da série, com a querida Claudia. Confesso que gostei menos desse do que o anterior (I Put A Spell On You) por não ter um mistério para ser desvendado e um suspense para tirar o fôlego, porém isso em nada diminui o prestígio da história que irá abordar sobre relacionamento abusivo e violência doméstica, temas pesados e necessários que são explorados com cuidado e respeito.


A história é tocante e nos faz refletir em como tentamos consertar – ou dar mais uma chance – para algo que não tem mais solução. É triste e tão real ver como a personagem lida com as atitudes do namorado possessivo e como tenta ver em cada barreira um lado positivo. Rebecca se culpa pelo ocorrido e se vê como o principal motivo para tudo ter acontecido, assim como outras vítimas também fazem. Aos poucos ela perde a si mesma, e isso é muito triste de se presenciar. 


Porém, mesmo com esse teor dramático e triste da história, a amizade entre Rebecca e Claudia é algo lindo e inspirador. Claudia não mede esforços para ajudar a amiga, colocando-se em perigo em prol da sobrevivência física e mental de Rebecca. Ambas precisam uma da outra, tanto fisicamente como também emocionalmente, pois são a fortaleza e a morada da outra. Presenciar a força dessas mulheres me fez querer ter contato com mais histórias assim, de superação e amizade feminina.

A cada leitura das short storys da série Scrupulo, mesmo que não tenham uma ordem definida, consigo imergir com ainda mais profundidade nos personagens e em suas vidas. É claro que isso também contribui com a minha curiosidade em saber sobre o passado dos personagens, já que as pistas dadas em cada história fazem minha mente clamar por mais informações. Porém, acredito, que ter contato com as três histórias trazem uma experiência completa com a obra. Os personagens já se tornaram meus melhores amigos, o clima noir virou minha morada e as intrigas mescladas aos mistérios e dramas fizeram com que eu me sentisse conectada e sempre de olhos abertos.


Teresa Helsen tem uma escrita leve que flui de maneira impressionante, em poucas horas você termina a história e logo se sente culpado por ter lido tão rápido. Na história de Rebecca não há descrições sobre o ambiente noir, até porque sabemos que esse clima está lá, mas, sim, há um foco nas emoções e nas superações. É uma indicação certeira para aqueles que gostam de se envolver emocionalmente com os personagens e sentir na própria pele as suas dores.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *