Literatura

Resenha: “Daytripper” – Fábio Moon e Gabriel Bá

“(…) e aproveitar a vida ao máximo. Esse é o grande segredo.”

Embora Brás de Oliva Domingos escreva obituários para o jornal, a profissão que realmente almeja é a de ser um escritor, assim como seu pai, aquele com quem mantém uma relação diferente da convencional e distante da amorosa. Porém será que Brás está fazendo algo para conseguir alcançar o seu sonho ou ele apenas o está idealizando? E você, o que está fazendo hoje para realizar o seu?


Será a partir dessas duas pequenas perguntas que os artistas Fábio Moon e Gabriel Bá irá nos conduzir em uma história incrivelmente tocante e recheada de sentimentos profundos e conflitantes. Mas não apenas sobre isso, Daytripper é uma graphic novel que aborda sobre os momentos felizes durante toda a vida de Brás, onde todos antecedem algum tipo de tragédia para o protagonista. E é então que lidamos novamente com as indecisões da vida; a imparcialidade e a dúvida entre o sonhar e viver; e a escolha de, finalmente, se permitir viver.


Inevitavelmente Brás é como seu pai: ambos fumam a mesma marca de cigarro, se dedicam à arte de escrever e descobrem o verdadeiro sentido do amor quando se tornam pais. E, também inevitavelmente, Brás sentirá os sentimentos de amor, paixão e amizade em seus estados mais puros; enfrentará a solidão, a raiva e a tristeza; se encontrará em si mesmo.
 
Reprodução: Biblioteca Pessoal

Como e porque me vi no Brás:

Finalizei essa HQ com um misto de esperança e sufocamento, paz e alívio, diversos sentimentos que nem sei descrever. Li esse quadrinho durante três dias, pois não consegui devorá-lo inteiro de uma vez só, precisei parar diversas vezes para absorver toda a mensagem das palavras e da própria arte. Justamente por isso a leitura foi lenta, mas imensamente satisfatória, me proporcionando o tempo necessário para apreciar cada quadro e cada sentimento.


Peguei a história imaginando que seria algo simples, leve até, mas me deparei com páginas e mais páginas repletas de significado e profundidade, me deixando inebriada e zonza várias vezes. Fala sobre solidão, paixão, amor e amizade, tudo misturado de uma maneira cheia de ordem e sentido, e ao final nos faz questionar o que faríamos caso morrêssemos logo após um momento de felicidade, de um dia especial. 


Também nos faz pensar em como podemos colocar uma ordem entre sonhar e viver, e que ambos podem ser mesclados e tornados em uma vida cheia de realizações. Ainda não sei descrever tudo que senti com o Brás, mas sei que o próprio me ensinou muito mais do que pretendeu (ou imaginou). Eu me vi em suas indecisões, em suas angústias reprimidas e em seu medo de falhar.


Uma história poética transmitida através de uma arte simples, mas significativamente expressiva. Acredito que seja exatamente aquele tipo de história que desperta impressões e sentimentos variados nos leitores, por isso indico que a leia e a viva à sua própria maneira. Brás de Oliva Domingos me fez companhia quando na verdade era ele quem precisava de alguém; Brás de Oliva Domingos me inspirou quando era ele quem precisava de inspiração; e Brás de Oliva Domingos morreu quando ele precisou de uma nova ressurreição. Uma graphic novel que vale cada página e cada minuto do seu tempo.
 

💻 Me acompanhe nas redes sociais:

2 thoughts on “Resenha: “Daytripper” – Fábio Moon e Gabriel Bá”

  1. Oi, tudo bem? Nos últimos tempos tenho gostado muito de ler HQs. Realmente algumas histórias trazem muito significado e reflexões. É interessante pensar que uma narrativa que poderia ser apenas um passatempo nos brinde com tantos sentimentos. Gostei muito das ilustrações são bem realistas. Não conhecia mas gostei da indicação. Beijos, Érika =^.^=

    1. Se você está gostando de HQs, recomendo que dê uma chance para essa! Pois além de ser de autores nacionais, também traz todo um misto de sentimentos e reflexões. E a arte é realmente linda!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *