Literatura

Resenha: “A Noite Não Me Deixa Dormir” – Camila Fernandes

Título: A Noite Não Me Deixa Dormir
Autora: Camila Fernandes
Quantidade de páginas: 20
Editora Dandelion
Gênero:
 Ficção / Conto / Terror / LGBTQI+
Ano: 2018
Skoob: Clique Aqui
Compre: Amazon
Minha classificação: ★★★ (3/5) 

Fome por sangue, fome por amor

O narrador-personagem, que em nenhum momento é nomeado na história, está passando por grandes dificuldades em sua vida. Primeiramente há a fome, a incontrolável e insaciável fome. Não fome de alimento ou proteína, mas, sim, fome daquele que ainda ama e que o abandonou há algum tempo, deixando com o protagonista apenas a maldição de ser um monstro que ânsia cada vez mais por gotas infinitas de sangue.

Em segundo lugar em um ranking de sofrimento há a solidão. O pesar de viver sozinho e não poder dividir uma vida com alguém, até porque o único que ainda lhe importa o deixou para nunca mais voltar. Logo depois da solidão, seguindo essa lista, fica a pobreza, tanto em questão de dinheiro como também pessoal, humana. Como viver em um mundo que preza o valor significativo da cédula de dinheiro enquanto esquece daqueles que precisam de atenção, de nutrir suas necessidades?

O conto A Noite Não Me Deixa Dormir pode até ser uma narrativa curta, rápida de ser lida, mas a sua apreciação irá perdurar durante dias em sua mente ao mesmo tempo em que a atmosfera sombria e pesada, que causa uma falta de ar no leitor, demonstrará que o terror está na ambientação e nas próprias entrelinhas. Além disso, o mistério fica por conta do narrador que enquanto nos conta sobre o seu passado também o mescla com toques relevantes do presente.


A própria noite não me deixa dormir. A insônia é minha deusa. A insônia e a fome.


Todos nós somos uma gata no cio.

A forma que a autora desconstrói as necessidades humanas e coloca o narrador-personagem como centro de uma fome insaciável me fez questionar realmente o que de fato é o terror para mim, pois nesse conto não há criaturas para se ter medo ou descrições sanguinárias para se chocar. Aqui há somente um personagem embutido em uma sofridão e pobreza mútuas, onde ambos se completam e o fazem ter atos impensáveis anteriormente.

A história fala sobre devoção, amor e a fome que nos envolve por mais, seja de sexo, atenção ou até mesmo sangue, tendo assim um fundo verdadeiro embaixo de si. O paralelo que é traçado há todo momento com uma gata no cio, que também está sempre a procura de mais, se torna essencial e excepcionalmente explicativo, pois é através disso que percebemos um panorama entre os dois personagens, duas criaturas que não se contentam com o pouco que têm.

A história é curta e tem uma leitura bastante fluida, dando para ser lida em menos de uma hora. É claro que a escrita poética da autora também é um destaque nesse ponto, auxiliando na fluidez e imersão do leitor. Camila Fernandes tem um jeito único de escrever, abusando de cenas que contém bastante sexualidade e sensualidade, exatamente do jeito que uma narração desse tipo de monstro deve ser.

Sei que falando dessa maneira talvez você já tenha um certo palpite sobre o que é o conto, mas não se importe com esses detalhes antes da leitura, pois o interessante é descobrir sobre a monstruosidade do narrador através de sua própria narração, assim nos surpreendendo. Por isso, apesar de eu acreditar que a história tem um potencial ainda maior do que foi explorado, é uma boa e recomendável leitura, mesmo que não agregue nada de novo no gênero que já conhecemos tanto.


“Você tem medo do que é. Se assume que o medo vai embora.”


💻 Me acompanhe nas redes sociais:
FanPage | Skoob | Instagram | Pinterest

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *