Literatura

Resenha: “Fome” – Iza Artagão

Fome é um thriller nacional que traz uma protagonista forte, mas que se difere do comum. Com pitadas de horror, a obra flui de maneira rápida e deixa o leitor vidrado em suas páginas, sempre ansioso para saber mais. Ao menos foi isso que aconteceu comigo.

A autora, Iza Artagão, foi anunciada como Autora Revelação no III Prêmio Aberst de 2020, ganhando assim o título desse ano. O que te dá mais um motivo para lê-la agora mesmo.

Outro motivo é que Fome está em financiamento coletivo no Catarse e assim precisa da sua ajuda para se tornar um exemplar físico. Estamos em 44% e temos apenas 14 dias para atingir a meta, por isso peço a sua ajuda nessa empreitada, tanto apoiando como também divulgando, se puder, claro. Ajude-nos a tornar o sonho da Iza realidade e termos assim esse exemplar lindo em nossas estantes! Para apoiar clique aqui.

Agora vamos a resenha desse thriller incrível e brilhante!

Leia também: 2084: Mundos Cyberpunks (+Sorteio)

“(…) porque o abismo já não só me olha, ele me chama, e eu tenho um puta medo de responder…”

Título: Fome
Autora: Iza Artagão
Quantidade de páginas: 242
Publicação Independente
Gênero: Ficção / Romance policial / Suspense e Mistério / Terror
Ano: 2020
Skoob: Clique Aqui
Compre: Amazon | Apoie no Catarse
Minha classificação: ★★★★ (4/5)

Quão grande é a sua fome (de justiça)?

Após sofrer um acontecimento trágico, Izzy é obrigada a moldar toda uma vida para um novo estilo de sobrevivência. Se afastando de seus familiares e não se permitindo ter contato íntimo com ninguém, ela ainda precisa reformular a sua alimentação, colocando-se em uma nova dieta: somente a base de carne humana.

Mas não pensem que Izzy é uma pessoa má ou ruim. Ela precisa se alimentar, pois ao contrário a fome será tão grande que poderá a tornar um animal inconsciente e sanguinário, cego por sua presa. Para não deixar isso acontecer, Izzy trabalha como estagiária na Promotoria e escolhe o seu cardápio de acordo com os culpados que são absolvidos em seus julgamentos, como assassinos e estupradores que, através do advogado mau-caráter Dr. Canavarro, conseguem liberdade.

Se os tribunais não cumprem o seu dever de honrar as vítimas e ela, ao mesmo tempo, precisa se alimentar, por que não juntar o útil ao agradável e fazer justiça com as próprias mãos por essas mulheres que não são ouvidas, mas, sim, humilhadas e desacreditadas? Você não faria o mesmo?

Em Fome encontramos um thriller forte, indigesto, mas necessário. Izzy faz a sua própria justiça e isso faz com que nós, leitores, fiquemos divididos entre o que é certo e o que é errado; ficamos em cima de uma linha tênue sobre moral e justiça.

TW: é importante alertar que por ser uma história forte pode haver gatilhos para você. A obra trata de temas pesados como estupro e violência contra mulher, sendo, até mesmo, bastante descritivo. Então tenha cuidado ao lê-lo.


“(…) era difícil viver dominada pelos instintos e ao mesmo tempo manter a razão. Animal algum conseguia agir assim. A balança sempre pendia para um dos lados.”

Reprodução: Biblioteca Pessoal

Uma narrativa fluida e rápida, mas que precisa ter estômago e atenção nos detalhes das entrelinhas.

Fome veio como uma grande benção para mim, do jeitinho que eu gosto: fluido, descritivo e forte. Com alguns gatilhos e com cenas pesadas no caminho, a obra me conquistou ao trazer temas pertinentes e importantes, mostrando como a justiça é falha e desumaniza vítimas mulheres.

Ao desenrolar do enredo conhecemos Izzy, uma personagem nada convencional que nos conquista através de seus ideais e objetivos. Confesso que às vezes eu a achei um pouco chatinha, mas isso foi porque, por conta de motivos pessoais, ela se bloqueia para os outros e cria um escudo afetivo, e na realidade eu só queria que ela aceitasse as outras pessoas e se permitisse viver certos momentos. Eu queria vê-la feliz.

Alguns pontos também ficaram meio vagos para mim, sem explicação, mas acredito que isso foi proposital da autora, já que ela me disse que certas coisas serão abordadas no segundo livro. Acredito também que essas partes vagas não eram o foco no momento e por isso não foram exploradas mais profundamente, o que me deixa ansiosa para ter a continuação em mãos logo.

A obra traz um thriller frenético que nos tira o ar e nos faz indagar quem é o verdadeiro monstro da narrativa. Com personagens carismáticos – mas, com também personagens odiosos -, o livro se mostra a leitura perfeita para os fãs do gênero.


💻 Me acompanhe nas redes sociais:
FanPage | Skoob | Instagram | Pinterest

Receba todas as nossas novidades:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *