Literatura

Resenha: “Porém Bruxa” – Carol Chiovatto

Porém Bruxa foi o livro de estreia do meu Clube Claricimas. O clube é organizado por mim e pela autora – e minha amiga – Day Fernandes e nele nós temos o intuito de ler mensalmente um livro nacional escrito por uma mulher.

A lista escolhida à princípio tinha como base livros que eu e a Day gostaríamos muito de ler. Porém Bruxa é uma obra muito elogiada e mesmo a sinopse não despertando tanto a minha atenção aproveitei que estava de fácil acesso no catálogo da Amazon Prime e decidi arriscar. E que bom que eu fiz isso!

Leia também: Fome, de Iza Artagão

“Somos as filhas de todas as bruxas que vocês não conseguiram queimar. Bem poderia ser verdade: a Inquisição nunca conseguiu queimar uma bruxa sequer, então a descendência das legítimas é extensa. Sei disso de fonte segura: sou uma delas, afinal.”

Título: Porém Bruxa
Autora: Carol Chiovatto
Quantidade de páginas: 256
AVEC Editora
Gênero: Ficção / Fantasia / Romance
Ano: 2019
Skoob: Clique Aqui
Compre: Amazon
Minha classificação: ★★★★★ (5/5)

Uma bruxa em São Paulo?

Ísis Rossetti é a bruxa monitora responsável pela grande cidade de São Paulo. O seu trabalho é cuidadoso e importantíssimo, mas deve ser mantido em segredo aos olhos dos comuns, que são todo o resto da população que não tem conhecimento da existência da magia. Isso, é claro, tirando o seu grupo de melhores amigos que sabem da sua verdadeira essência e que, vez ou outra, a ajudam com certos casos, sendo assim os melhores amigos que alguém poderia ter.

No momento Ísis se vê cercada por três acontecimentos simultâneos: o sequestro de uma criança, o qual desperta a sua intuição; o desaparecimento de uma mulher, sendo um possível feminicídio, esse sendo um pedido especial de sua amiga delegada Helena; e a invasão no terreiro da mãe de Fernanda, sua outra amiga, incitado por ódio e cujo possível culpado poderá ser o pastor Marco Dimas, conhecido por sua intolerância com as demais religiões e seu discurso de ódio.

Os três casos merecem sua total atenção, mas como conciliá-los? Além disso, também há o Corregedor que pode lhe visitar a qualquer momento e lhe punir por estar cuidado dos problemas dos comuns aos invés de se preocupar apenas com empecilhos mágicos. Como burlá-lo e lutar pelo o que acredita ser o certo?

Através de uma narração em 1° pessoa, conhecemos o enredo de Porém Bruxa pelos olhos de Ísis. Temos contato com uma São Paulo já conhecida por muitos, mas com uma pitada mágica e surpreendente.


“Eu sabia que você vinha, porque você sempre veio. Toda santa vez. Nos problemas mais banais e naqueles que pareciam preceder o vale das sombras da morte.”

Reprodução: Biblioteca Pessoal

Porém Bruxa diverte, encanta, e ainda traz temas importantes de forma responsável e crítica.

Mais um livro do ano que me pegou de surpresa. Porém Bruxa não tem um enredo que me faz querer lê-lo por livre espontânea vontade, por mais que eu já tivesse visto muitas opiniões positivas sobre ele. Eu não sei, parecia que nada ali me chamava ainda a atenção que eu desejava. Mas que bom que eu dei uma chance, pois foi uma leitura excelente e que me trouxe sensações diversas.

Ísis é uma mulher gente como a gente e seu temperamento se parece muito com o meu, criando assim uma conexão instantânea. Ela é engraçada, dedicada ao trabalho e fiel aos amigos, sendo dura e fechada quando é preciso; não leva desaforo pra casa e luta suas próprias batalhas.

Porém, na totalidade do enredo, Ísis não foi exatamente o que eu mais gostei da história, mas, sim, o laço de amizade que há entre ela e alguns comuns. Meu Deus! Que amizades! É incrível como aquele grupo de amigos se apoiam a todo momento, se ajudam e estão dispostos a correrem riscos uns pelos outros. Dulce, Helena, Fernanda e Murilo são amigos indescritíveis e que me conquistavam cada vez mais quanto mais apareciam. Eu sou muito sensível a história de amizades e esse foi um dos melhores grupos de amigos que eu já pude conhecer.

Além, é claro, da tamanha representatividade que temos entre eles. Há um homem bissexual em um relacionamento aberto; uma mulher negra no posto de delegada; uma travesti que se preocupa imensamente com os outros e nos traz os melhores embates reflexivos; e uma umbandista prestes a se formar. Todos eles têm cargos importantes, são independentes e têm suas próprias vidas, sendo assim bem explorados e completos.

E a religião também é outra coisa que chama bastante atenção no livro, já que temos contato com a fé em suas várias formas, mostrando o preconceito e o ódio de intolerantes e fanáticos e o quanto esse ódio cega, fere e mata.

A escrita da Carol é gostosa, fluida, e faz com que não desejemos largar o livro em momento algum. Porém Bruxa foi o escolhido para ser a leitura coletiva de estreia do meu Clube Claricimas e não poderíamos ter começado por um melhor, já que ele teve até o poder de tirar uma de nós da ressaca literária.

Eu não pensei que gostaria tanto do livro, mas fico imensamente feliz de tê-lo amado. Eu me envolvi, me apaguei, e no final eu só queria um pouco mais daqueles personagens, daquela trama. Queria que todos o lessem, pois traz temas importantes e atuais de serem debatidos de forma crua e verdadeira.


💻 Me acompanhe nas redes sociais:
FanPage | Skoob | Instagram | Pinterest

Receba todas as nossas novidades:

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *