Literatura

Resenha: “Lady Killers: Assassinas em Série” – Tori Telfer

Lady Killers: Assassinas em Série é um livro de não-ficção que traz vida a assassinas esquecidas e, muitas vezes, desvalorizadas, sendo rebaixadas e apagadas pelo lado masculino.

É habitual – e com grande frequência – vermos livros, documentários e filmes biográficos abordando a história de vida de serial killers homens e seus sucessivos assassinatos. Toda a sua brutalidade, sua raiva, seu sangue frio, chocam os telespectadores/leitores, mesclando esse horror crível com o próprio homem e sendo assim mais fácil de se imaginar assassinos que se encaixem nesse gênero.

Afinal, quantas mulheres assassinas ganharam destaque na literatura e no cinema na última década? Quantos nomes femininos você tem gravado na mente, que te assustam, te causam asco, te dão arrepios? Quantas assassinas em série você conhece e consegue falar sobre? Ou, até mesmo, quantas assassinas você têm interesse em estudar mais sobre?

Reprodução: Biblioteca Pessoal

“(…) era estranhamente tranquilizador imaginar que aquelas envenenadoras se pareciam mais com homens do que com mulheres (…)”

Leia também: Love Kills, de Danilo Beyruth

Título: Lady Killers: Assassinas em Série
Autora: Tori Telfer
Quantidade de páginas: 384
Editora DarkSide Books
Gênero: Não-Ficção / Biografia, Autobiografia, Memórias / Crimes
Ano: 2019
Skoob: Clique Aqui
Compre: Amazon | DarkSide Books
Minha classificação: ★★★★★ (5/5)
* Livro cedido pela Editora

Quantas assassinas em série você conhece?

Através do esquecimento do nome e da história das assassinas, é perceptível que até mesmo nesse cenário macabro há o apagamento do feminino, da mulher. Há a chacota – quando diminuem a assassina através do nome popular que lhe é dado ou quando diminuem os motivos para tais atos bárbaros colocando-os sempre em prol do homem, da paixão e do sexo -; há o desprezo pela pesquisa desses nomes.

Com isso, é graças a DarkSide Books e a Tori Telfer que podemos conhecer essas histórias, essas mulheres e suas maldades. É claro que em nenhum momento devemos diminuir tais atos, simplesmente por terem sido feitos por mulheres. Claro que não. Mas esse livro serve para mostrar que o obscuro, a frieza e o sanguinário também estão no sangue de algumas mulheres – e que elas devem ter seu lugar ao lado de tantos outros serial killers homens.

Inclusive, além dos casos pesquisados pela própria autora, ao final do livro também há outras citações de serial killers, algumas mais comuns de serem faladas, e conteúdo adicional, com indicações de filmes relacionados ao tema, sessão de curiosidades e artigos extras. É uma edição bem completa e perfeita para ser relida e consultada.

TW: há cenas descritivas e menções a torturas, a assassinatos e a abusos físicos. É bom ter um cuidado especial consigo mesmo ao decidir ler a obra e tais assuntos.

“O amor e os seus primos próximos, a luxúria e a obsessão, têm sido identificados como a “fonte” dos crimes femininos desde o início dos tempos, em uma série de modos arquetípicos: a senhorita ciumenta, a amante rejeitada, a Ofélia enlouquecida, a garota manipulada por Manson. O amor oferece uma história não apenas romântica, mas prazerosa.”

Reprodução: Biblioteca Pessoal

Lady Killers questiona o lugar da assassina em série na história e escancara o machismo e o sexismo do meio

É bem raro eu pegar um livro pra ir lendo aos poucos, mas senti essa necessidade com Lady Killers, muito por ser dividido em casos e, por isso, ser perfeito para intercalar com as demais leituras. Minha meta era ler um caso por dia, o que não deu muito certo, mas posso dizer que a leitura fluiu bem em todos os momentos que o peguei para ler, devorando os conteúdos finais.

Por isso, eu gostei muito do livro. Eu adoro histórias mais macabras, então conhecer a trajetória dessas mulheres e seus crimes foi bem assustador e, ao mesmo tempo, encantador. A escrita da autora também agregou muito, pois ela faz relações com a época dos assassinatos, as imposições sociais e o papel da mulher dentro da sociedade em cada século.

É incrível! Ter esse contato com essas assassinas – até um pouco mais íntimo – me fez querer ler mais livros assim de não-ficção, pois percebi que adoro estar por dentro da mente das pessoas e entender melhor o que as vítimas podem significar para os assassinos.

Por conta disso, já estou com o carrinho cheio das demais edições da Caveirinha e espero poder adquirir logo um próximo para entrar de cabeça em uma nova vida, um novo mistério. Recomendo demais para quem gosta de não-ficção envolvendo assassinos e suas vidas e também para quem tem curiosidade sobre o assunto. Acredito que uma vez degustando tal tema chega a ser impossível não desejar por mais.


💻 Me acompanhe nas redes sociais:
FanPage | Skoob | Instagram | Pinterest

2 thoughts on “Resenha: “Lady Killers: Assassinas em Série” – Tori Telfer”

    1. Essa edição é linda! Mas é Darkside, né? Não podemos esperar menos. Acredito que é um ótimo livro para ingressar no true crime, pois a maioria dos assassinatos se dá por veneno, então essas descrições não são lá muito pesadas. Mas há algumas sim, mesmo que poucas, que podem revirar um pouco o estômago.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.